> Show Multimídia <
 
> Show Multimídia < > Projetos Acústicos <


O que é o Dolby Digital?

 Uma das consequências da popularização do DVD vai ser a popularização também do sistema de processamento de som Dolby Digital e sua afirmação no futuro como padrão de processamento de som. Mas, afinal de contas, o que é o Dolby Digital?

 A Dolby Laboratories é uma empresa fundada em Londres em 1965 pelo engenheiro americano Ray Dolby. A Dolby Laboratories não comercializa equipamentos para consumidores - é uma empresa de pesquisas na área de processamento de som. Lançou há algum tempo o sistema Dolby, difundido no mundo todo como sistema de reprodução de som. O Dolby oferecia uma filtragem eficiente de ruídos e realçava a separação entre os graves e os agudos, fornecendo um som estéreo limpo, em dois canais, de ótima qualidade. O Dolby Surround, uma evolução no processo, passou a fornecer o som em três canais - dois frontais laterais e um canal surround (normalmente reproduzido por duas caixas traseiras) para a reprodução de efeitos e 'atmosfera' (sons ambientais, passos ao longe, etc).

 A evolução natural foi o Dolby Pro-Logic, que veio adicionar um canal exclusivo para a reprodução de diálogos, normalmente por um falante frontal central. Um sub-woofer também pode ser adicionado para a reprodução das frequências mais baixas. O Dolby Pro-Logic também veio oferecer uma melhor separação entre os quatro canais, possibilitando um melhor posicionamento dos falantes.

 Em 1992 a Dolby Laboratories lança o Dolby Digital, que veio oferecer o processamento de som em seis canais digitais discretos, separados. A quantidade de informações a serem processadas e transmitidas é i mensa!

Imagine um disquinho de DVD com um filme de 2 horas com informações separadas de cada um dos seis canais de som, além da imagem e todas as outras informações que constam do disco! Para tornar isso possível, algoritmos matemáticos complexos são necessários. Para o Dolby Digital, depois de anos de pesquisas, a Dolby Laboratories chegou a um algoritmo que batizou de 'audio code 3'; por isso, o nome oficial do Dolby Digital é AC-3 (assim como os processamentos anteriores são oficialmente denominados de AC-1 e AC-2).

 Assistir a um filme em Dolby Digital é uma experiência emocionante. O som é envolvente, limpo, bem direcionado, e pode-se ouvir sons que normalmente não são percebidos com outros tipos de processamento. O primeiro filme a ser apresentado em AC-3 foi "Batman Returns".

 Um filme em Dolby Digital vai ter seu som reproduzido por seis canais digitais separados - dois frontais laterais, um frontal central, dois traseiros laterais e um sub-woofer - o que vai assegurar uma definição de som precisa e limpa. Sons que normalmente não eram audíveis com muita clareza no Dolby Pro-Logic são claramente distinguidos no Dolby Digital.

 Estes canais não são canais virtuais ou simulados, mas realmente seis canais independentes, o que assegura que cada tipo de som (diálogos, explosões, música, som ambiente, passos, etc) vai ter seu próprio canal de processamento, assegurando um som limpo e definido, e - o mais importante - posicionado de acordo com a ação. Pode-se distinguir claramente de que direção o som está vindo.

 O sexto canal, o das baixas frequências (sub-woofer) contém as informações dos graves adicionais que maximizam o impacto de cenas de explosões e batidas. Por ter uma limitação de resposta de frequência (3 a 120 Hz) - enquanto todos os outros 5 canais reproduzem o espectro total de frequências possível - o sexto canal foi denominado de 'canal .1'. Ao analisá-lo junto com os outros 5 canais que compõem o Dolby Digital, temos o sistema "5.1". Por isso, as denominações "Dolby Digital", "AC-3", ou "5.1" significam exatamente a mesma coisa.

 Uma grande vantagem do Dolby Digital para filmes de cinema é que sua estrutura permite que ele seja gravado no próprio rolo do filme, justamente no espaço entre os orifícios para a passagem dos dentes da roda que puxa o filme. Este espaço na película é bastante resistente.

 A separação entre os seis canais nem sempre é percebida quando se assiste a um filme. Tudo é feito para que o som se 'encorpe' e o resultado final seja um som claro e limpo, e o espectador se sinta no meio da ação. Em algumas cenas, a separação se torna mais evidente – e são normalmente nas cenas de ação dos filmes de aventura que o efeito fica mais óbvio. Alguns exemplos: as cenas iniciais de "007 – Tomorrow Never Dies" com o míssel voando pelos ares, traz a nítida sensação que o míssil está sobrevoando a sala, vindo por trás e passando para a frente. A tomada do avião presidencial pelos terroristas em "Air Force One" também é impressionante: pode-se ouvir o som dos cartuchos das armas caindo ao chão por trás, o que normalmente não se distingue sem o Dolby Digital. O próprio menu de Godzilla, que traz ao fundo um som de pânico na multidão fugindo, quando ouvido em Dolby Digital reproduz claramente nas caixas traseiras os gritos das pessoas. O filme "Twister", em Dolby Digital, fica amedrontador - coloca o espectador no meio do tornado enquanto sons apavorantes de vento e destruição vão circulando a sala.

 É importante lembrar que as evoluções do sistema Dolby sempre mantêm compatibilidade com os sistemas anteriores. Mesmo que você ainda não tenha um sistema para a reprodução do Dolby Digital, ou nem mesmo do Dolby Pro-Logic, a trilha vai ser lida pelo seu sistema de som e repoduzida de acordo com a capacidade do seu aparelho.

Matéria retirada da revista Home Theater, Entendendo o DVD, por Luiz Antonio Picolo


SEXTO SENTIDO MÚSICA E ACÚSTICA LTDA  .  l  Fone: 19 3258-5619  l  E-mail:acustica@sextosentido.com.br
© 2006 - Desenvolvido por Pigworx -  l Todos os direitos reservados a SEXTO SENTIDO MÚSICA E ACÚSTICA LTDA  .
> Power Voice < > Home Theater design < > Power Voice < > Home Theater design < > Produções < > Sexto Sentido <